Rádio Club – Paraí RS

Rádio Club FM da cidade de Paraí, Rio Grande do Sul

Quarentena no RS não vai acabar em menos de 10 dias, diz Eduardo Leite

Governador afirma que situação será reavaliada na próxima semana

As medidas de restrição à circulação de pessoas no Rio Grande do Sul não serão revistas pelo governo gaúcho até o final da próxima semana. A afirmação foi feita pelo governador Eduardo Leite, em uma manifestação pela internet, nesta quinta-feira (26). Para ele, um relaxamento nas regras, que incluem a redução de atividades econômicas, só irá ocorrer após análise do avanço do coronavírus no Estado e da capacidade de atendimento da rede.

— A quarentena deve ir, pelo menos, até o final da próxima semana, e durante a próxima semana vamos avaliar os dados, as informações da evolução do quadro de contágio no Estado, para compreendermos melhor a curva que estamos tomando e também para compreender os instrumentos que teremos para enfrentar os quadros que vão se agravar — disse.

O governador destacou que é preciso entender a evolução na quantia de infectados e a previsão de aumento no número de lugares a quem ainda vai precisar de leitos clínicos ou de terapia intensiva.

Segundo ele, o Rio Grande do Sul receberá equipamentos, como respiradores, por meio do Ministério da Saúde, além de equipamentos para a proteção de profissionais que atendem os doentes. A pasta não deu prazos, embora a expectativa é que a entrega possa ocorrer na próxima semana.

A manifestação de Eduardo Leite ocorreu após questionamento sobre um manifesto divulgado nesta quinta-feira por entidades empresariais, com a sugestão de prazos para a retomada da atividade econômica no Estado. O texto pede que o retorno ocorra, gradativamente, a partir de 1º de abril, com metade do quadro de pessoal. Já o restabelecimento pleno ficaria para 6 de abril.

Receba duas vezes por dia um boletim com o resumo das últimas notícias da covid-19. Para receber o conteúdo gratuitamente, basta se cadastrar neste link

Leite respondeu que há a preocupação com a economia, mas que o cuidado maior é com a “vida das pessoas”. Também pontuou que nenhuma ação será tomada sem “evidências científicas” que deem segurança:

— É prematuro falar em prazos. Isso seria um achismo, um chute, falar qualquer dado sobre volta de 50% ou 100% em tal data sem antes termos informações técnicas.

Durante a manifestação, o governador anunciou três medidas para o setor empresarial: suspensão do encaminhamento de dívidas a protesto e negativação de pessoas jurídicas junto ao Serasa, cancelamento de intimações para comprovar garantias e a inclusão de empresas no regime especial de fiscalização estadual.

Leitos

Também foi anunciada a contratação de 95 leitos de cuidados prolongados em cinco hospitais do interior gaúcho. Eles liberam leitos clínicos e de terapia intensiva para quem precisar de cuidados devido ao coronavírus. O custo será de cerca de R$ 600 mil por mês.

As instituições que integram a medida são a Associação Hospitalar Marcelinense (Marcelino Ramos), a Associação Hospital Beneficente Ajuricaba (Ajuricaba), a Sociedade Hospitalar de Caridade (Alecrim), o Hospital Santa Terezinha (Palmitinho) e o Hospital Doutor Roberto Binato (São João do Polêsine).

*Fonte: GaúchaZH

Deixe uma resposta