Rádio Club – Paraí RS

Rádio Club FM da cidade de Paraí, Rio Grande do Sul

O caso das “aglomerações Coreanas” e como os casos de Coronavírus explodiram naquele país

Como os casos de coronavírus explodiram em igrejas e hospitais sul-coreanos

Tradução de matéria original da agência de notícias Reuters.

A Coréia do Sul anunciou centenas de novos casos de coronavírus no espaço de apenas alguns dias e elevou o alerta de doenças infecciosas para o nível mais alto. A onda de casos centrou-se em dois grupos principais de uma igreja na cidade de Daegu e de um hospital próximo. O novo surto elevou o número de casos confirmados da Coréia do Sul muito mais alto do que em qualquer outro lugar fora da China.

O vírus foi confirmado pela primeira vez no país em 20 de janeiro, quando uma mulher chinesa de 35 anos que voou de Wuhan, na China, para o aeroporto internacional de Incheon, que serve Seul, foi isolada após a entrada no país. Nas quatro semanas seguintes ao incidente, a Coréia do Sul conseguiu evitar um grande surto, com apenas 30 pessoas contraindo o vírus, apesar de muitas interações entre as que mais tarde foram confirmadas como doentes e centenas de outras pessoas identificadas como contatos dos pacientes doentes.

Isso mudou com o surgimento do “paciente 31”.

Paciente “31”

Não está claro onde a paciente 31 foi infectada pelo vírus, mas nos dias antes de seu diagnóstico, ela viajou para lugares lotados em Daegu, bem como na capital Seul. Em 6 de fevereiro, ela sofreu um pequeno acidente de trânsito em Daegu e se internou em um hospital de medicina oriental. Enquanto estava no hospital, ela participou de cultos na filial de Daegu da Igreja de Shincheonji, em 9 de fevereiro e novamente em 16 de fevereiro.

Entre essas visitas, em 15 de fevereiro, os médicos do hospital disseram ter sugerido que ela fosse testada para o coronavírus, pois estava com febre alta. Em vez disso, a mulher foi almoçar com um amigo em um hotel. Em uma entrevista ao jornal local JoongAng Ilbo, a mulher negou que os médicos a tivessem aconselhado a fazer o teste. Como seus sintomas pioraram, no entanto, os médicos dizem que mais uma vez a aconselharam a fazer o teste. Em 17 de fevereiro, ela finalmente foi a outro hospital para o teste. No dia seguinte, as autoridades de saúde anunciaram que ela era o 31º caso confirmado do país. Em apenas uma questão de dias, esses números haviam aumentado quando centenas de pessoas na Igreja Shincheonji e arredores tiveram resultados positivos.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças da Coréia (KCDC) disseram no sábado que obtiveram uma lista de 9.300 pessoas que compareceram aos dois cultos da igreja de Shincheonji, cerca de 1.200 dos quais se queixaram de sintomas semelhantes aos da gripe. Centenas de casos já foram confirmados lá.

Um segundo grupo importante surgiu de um hospital próximo em Cheongdo, um condado próximo a Daegu. As autoridades estão investigando os vínculos entre a igreja em Daegu e um serviço funerário no hospital, do qual vários membros da igreja compareceram de 31 de janeiro a 2 de fevereiro. Se confirmado, significa que o paciente 31 pode estar vinculado a ambos os grupos. Entre Daegu e Cheongdo, as áreas respondem por cerca de 80% dos casos em todo o país.

As autoridades ainda estão investigando como o Paciente 31 contraiu o vírus, não tendo registro recente de viagens ao exterior ou contato conhecido anterior com outros casos confirmados.

Quase todas as grandes cidades e províncias já relataram algumas infecções. No entanto, Daegu, onde a igreja está localizada, e Gyeongbuk, onde fica o hospital, têm de longe a maioria dos casos. Seul, uma área metropolitana de mais de 25 milhões de pessoas, possui apenas uma pequena porção.

“O coronavírus é mais contagioso e se espalha rapidamente durante o estágio inicial do surto, e, portanto, são necessárias medidas preventivas, considerando a possibilidade de o vírus se espalhar para todo o país a partir de uma comunidade”, disse o ministro da Saúde, Park Neung-hoo. conferência.

“Acreditamos que a próxima semana a 10 dias será crucial para determinar até que ponto o coronavírus se espalha”.

Fontes: Centros da Coréia para Controle e Prevenção de Doenças (KCDC); Reuters.
Por Marco Hernandez, Simon Scarr e Manas Sharma
Reportagem e edição adicional de Josh Smith e Raju Gopalakrishnan.

Deixe uma resposta